quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

[Novos Autores] Jonatas T.B. e uma resenha sobre Mark Twain


E com este post iniciamos uma nova seção aqui no Blog, onde apresentaremos o trabalho de novos autores nacionais em um formato bem especial: cada escritor convidado compartilhará uma reflexão-resenha literária com a gente, e quem sabe com alguma periodicidade.

O autor carioca Jonatas T.B., graduando em Letras na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, é o nosso primeiro convidado, e sua participação aqui no Blog começa com uma resenha sobre Mark Twain, autor de conhecidas obras literárias, em especial, As aventuras de Tom Sawyer e As Aventuras de Huckleberry Finn. Espero que curtam o trabalho do Jonatas!



O mundo que nos cerca é a extensão de nossos sonhos, ou, para um pequeno Tom Sawyer, ele é um parque de diversões.


"Ele seria um pirata! Isso! E só agora descobria sua vocação! Seu nome conquistaria fama mundial e faria todos os povos estremecerem! Que glória singrar os mares no veleiro negro, o Espírito dos Mares, com sua bandeira tremulando ao vento! E, no ápice da fama, ele reapareceria no velho povoado, irromperia na igreja com a pele curtida pelo sol e pelas intempéries, trajando sua roupa de veludo preto, botas compridas, faixa vermelha, cinto munido de pistolas, faca enferrujada de crimes, chapéu de plumas e a bandeira negra com caveira e tíbias cruzadas. Daí, escutaria o murmúrio de êxtase da criançada sussurrando: 'É Tom Sawyer, o pirata! O vingador do mar das Antilhas!'."

As crianças nascem sem nada saber a respeito do mundo, mas creio não estar errado em afirmar que também são as criaturas mais íntimas da imaginação, como se ainda carregassem consigo um pedacinho das infinitas possibilidades do misterioso lugar que estavam antes de nascer. Foi depois de mais ou menos quatro parágrafos que Tom me segurou pelo braço e me levou para lá. Quando percebi, já estava embarcado com Joe Harper e Hunckleberry Finn, seus amigos piratas, retornando àquela ilha que achava ter desaparecido no horizonte da memória.

Durante a travessia do Mississipi, eu não recordei se brincava de pirata quando criança, mas, assim como Tom, sabia que as brincadeiras nunca chegavam ao fim, porque, ainda que as coisas se tornassem sérias como um tesouro enterrado de verdade ou o testemunho da morte de uma pessoa real, as nossas mentes infantis coloriam tais eventos com tonalidades de uma tarde brincando de piratas. Foi aí que chegamos, eu junto a Tom boiando numa jangada, às fronteiras invisíveis entre a imaginação e a sensibilidade.

Mas se fosse para dizer algo com os pés mais no chão a respeito, creio que 'em “As aventuras de Tom Sawyer”, o cruel e controlador universo adulto é constantemente ludibriado pelas invenções imaginativas das crianças, onde até mesmo uma tarefa enfadonha, como pintar cercas, pode se tornar a atividade mais nobre (se você souber enganar os outros garotos, é claro). E não se surpreenda se escapar uma risada no meio das tolas e ciumentas provocações entre Tom e Becky Tatcher, resgatando num passado remoto (pelo menos para mim) as declarações e decepções do amor infantil. Enfim.

Das trapaças na escola dominical a fugas de assassinos sanguinários, durante aquela viagem pela imaginada St. Petersburg, Tom não me deixou esquecer em nenhum instante o que importava. Uma certeza sem responsabilidade, talvez um pouco de responsabilidade em pescar fumando um bom cachimbo, mas uma responsabilidade sem compromisso para chegar antes do jantar de tia Polly, e sem se importar com as palmadas que virão depois. Talvez importar-se um pouco em ser ou parecer, mas principalmente não esquecer de brincar de imitar. Afinal, também aprendi com Tom que brincadeiras sérias como Robin Hood abrem baús com verdadeiros tesouros dentro de nós. Acredite.


Jonatas Tosta 

J. teria nascido num dia frio de inverno em uma biblioteca com a qual sua mãe costumava sonhar quando criança,” se não fosse nada mais que um moço natural do Rio de Janeiro. Daquele tipo de pessoa que adora contar a qualquer ouvido amigo que queira ouvir. Atualmente é integrante do grupo estudantil de Produção e Crítica Literária da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, os mesmos integrantes do grupo Poligrafia, além de escrever para o blog Nerd Geek Feelings e em seu próprio blog. Foi selecionado para publicar seu conto na antologia Espada e Feitiçaria II, pela editora Buriti.

Outrora blogueiro, hoje resgatado por Rebeca ao velho ofício. Dizem por aí que também é professor, mas prefere dizer que de profissão só tem as palavras. E deseja aqui compartilhar com o(a) amado(a) leitor(a) cada nova história.

Clique para conhecer uma de suas histórias ainda não publicadas


terça-feira, 26 de janeiro de 2016

Recebidos de Janeiro - Outubro Edições e Cadersil

E o ano postal começa com algumas boas surpresas! Conheçam o livro Rádio Beatles, publicado pela Outubro Edições, lá de Brasília, e também a nova linha jovem de cadernos da Cadersil, uma empresa do estado da Paraíba.




Há quase um ano, quando iniciei o projeto Papel Papel lá no Instagram, não poderia imaginar o alcance geográfico de nosso mundo literário. Para alguém acostumada a uma cultura provincianamente polarizada entre o sul e sudeste, fiquei realmente feliz em encontrar este amor pela literatura em blogs de quase todos os estados, especialmente os das regiões Norte e Nordeste! E tem sido realmente uma inspiração conhecer um pouco mais do cotidiano de cada blogueiro literário, e também o de suas cidades <3 Espero que esta rede cresça cada vez mais! :)

Uma segunda inspiração pra mim é utilizar as redes sociais para conhecer o trabalho dos jovens empreendedores de nosso país. Pra quem não conhece muito sobre o assunto, nem sempre é tão fácil tirar nossos sonhos do papel e transformá-los em um pequeno negócio ou até em um empreedimento de maior porte. Aqui no Brasil existem impostos e burocracia demais, sem contar a crescente inflação, e esta é uma realidade que desmotiva inúmeros profissionais que, com muito custo, sobrevivem no chamado "mercado informal" (como por exemplo o pipoqueiro ali da praça ou o tio do cachorro quente ou ainda o vendedor de balas na porta da escola e também aquela amiga que aceita encomendas de bolos e brigadeiros pra festas, enfim, muita gente...) e, eventualmente, após desenbolsar alguma pequena fortuna, encontrar sócios, investidores e uma boa equipe, estes alguns sonhadores conseguem encarar a formalização e finalmente expandir o seu projeto.

Como este é um assunto realmente importante em nossos dias, gostaria de compartilhar alguns links com vocês:

Rede Mulher Empreendedora
Empreendedorismo para Mães
Livro Beleza Natural
"Empreendedor é o herói de nosso mundo", diz guru indiano
Por que empreendedorismo?

Mas voltemos ao assunto principal do post, os Recebidos de Janeiro rs :)

Conheci a Outubro Edições no Instagram e, ainda sem conhecer sua história, fiquei encantada com este livro:

Rádio Beatles narra a história de um engenheiro beatlemaníaco, casado há 30 anos, e que numa retrospectiva nostálgica contempla suas escolhas de vida, com aquela melancolia de quem um dia sonhou em ser um artista. E como rádio e Beatles são palavras que toda pessoa nostálgica e que curte música admira, não tive como não priorizar este livro dentre os que estão na wishlist! Logo começo a leitura e compartilho com vocês algumas impressões aqui no Blog :)

Sobre a Outubro Edições, esta é também uma casa editorial independente, que conta com a livre iniciativa da escritora Clara Arreguy para concretizar este sonho de ver impressas suas obras e a de diversos parceiros. Enfim, espero a cada dia conhecer outros tantos projetos literários de nosso país, especialmente os de cidades 'fora do eixo', como o da Outubro, que foi-me postado do Distrito Federal :) Obrigada pelo livro, Clara!


Institucional: A Outubro Edições nasceu no início dos anos 2000, da oportunidade de abrir espaço para publicações independentes. A editora Clara Arreguy, jornalista e escritora, publicou pelo selo seu livro “Catraca Inoperante”, de crônicas, e os romances “Rádio Beatles” e “Siga as setas amarelas – de bicicleta no Caminho de Compostela”. E também volumes de outros autores, como “De Propósito” (poemas), de Tulio Romano, “Coração Menino” (poemas) e “Dois Dedos de Prosa” (crônicas), ambos de José Henriques Maia, e “De Todo Coração – a vida de Anna Maria Costa de Araújo” (em parceria com a Tridia Comunicação).

Em 2015 a Outubro assumiu novo perfil, mais profissionalizado, com a publicação de “Cheio de Graça – uma biografia de José Henriques Maia”, de Clara Arreguy, e de “Minha Trilha Sonora – 40 anos de jornalismo cultural”, de Irlam Rocha Lima.

Cada vez mais especializados, estamos trabalhando em novos livros de diferentes autores. Nossa expertise, a preparação de textos e a prestação de consultoria sobre produção literária e outros tipos de publicação. Contamos com um time de profissionais de primeira nas áreas de edição, design e projeto gráfico, diagramação, criação de arte e capa, revisão e finalização, além de todos os detalhes técnicos que envolvem a produção de um livro.







Ahhhh, a Papelaria! <3 Taí um assunto que não precisamos falar, apenas sentir rsrs. Ainda assim, preciso comentar sobre essas fofurices que chegaram por aqui:


Tem como não amar?! <3 Dentro desta ecobag vieram dois cadernos com personagens e estampas bem delicadas, e ainda com direito a folhas decoradas e cartela de adesivos! <3 Desculpem, mas não encontro adjetivos melhores para esta apreciação estética! Papelaria é o tipo de coisa que desperta apenas um comentário: "Ahhhhh, que fofo/lindo/quero todos!", não acham? ;)

Outra coisa muito bacana também é que a Cadersil é uma empresa de Campina Grande, Paraíba! Mais uma vez, bate aquela felicidade por saber que há estados onde a indústria nacional ainda resiste, produzindo artigos competitivos, de qualidade, tal como o das conhecidas marcas que chegam aqui nas 'grandes capitais'. Realmente curti bastante ter conhecido o trabalho desta empresa :) 


E pra completar, a atuação da Cardesil nas redes sociais (principalmente site e Instagram) é bem divertida! Vale conferir :)

Cadersil

Institucional: Presente no mercado de fabricação de cadernos e produtos escolares desde 1993, a CADERSIL ocupa hoje a 7ª posição no ranking nacional entre as 60 maiores empresas do setor, fruto de um posicionamento industrial e comercial que visa oferecer produtos diferenciados de excelente qualidade.

Contando com o maior parque fabril do seu segmento no Norte-Nordeste e dispondo da mais alta tecnologia empregada na sua linha de produção, a CADERSIL prima pela qualidade de seus produtos através de um processo de fabricação dinâmico e eficaz. 




É isso, pessoal :) Que venha fevereiro, e com muitas surpresas na caixa postal! <3

domingo, 24 de janeiro de 2016

[Resenha] Garota Imperfeita - Simmone Howell


I am not the person who is singing, (Não sou voz que canta)
I am the silent one inside. (mas o canto silencioso aqui dentro)
I am not the one who laughs at people's jokes, (Não sou a plateia dos que entretém com piadas)
I just pacify their egos. (mas meu riso apazigua seus egos)
I am not my house, my car or my songs, (Minha casa, meu carro, minhas canções não me definem)
They are only stops along my way. (são apenas estadas em minha jornada)
I am like the winter, I'm a dark cold female, (Sou como o inverno, mulher de escuridão intensa)
With a golden ring of wisdom in my cave. (iluminada por alma clara, nas profundezas sábia)

Paula Cole, Me
(livre tradução)



Por viver em uma cidade grande, tenho fascínio por histórias onde faltam a multidão e o engarrafamento. "Histórias de tédio", dirão os amigos de geografias distantes; por que romantizar o interior? Talvez por ser a solidão da praça a mesma do topo do edifício, e portanto acolhedora quando confrontada com este algum sentimento de jornada ou fuga - ainda que a realizemos do quarto para a estrada ou da fazenda para a metrópole ou da página do livro para algum pedaço do coração.

Havendo movimento, sentimo-nos inquietamente vivos. Ou particularmente presos. Porque há tempo para todas as coisas e uma delas é a de nos sentirmos viajantes - até o dia em que não mais acreditarmos em estradas e impermanências.

(Saudade e pertencimento: duas ideias igualmente à espera, e não apenas de tradução.)

Nancy talvez não seja o seu nome, ainda que a cada mudança permaneça a mesma, apenas uma garota, à espera de um mundo para admirar e ser por ele eternizado. Skylark, protagonista do livro mas não de sua vida, é por algum tempo melhor amiga de Nancy, em um compartilhar de histórias e deriva, nesta solidão-acompanhada que começa lá pelos oito ou quinze anos e por vezes se estende por toda uma vida.

Garota Imperfeita é uma história de poucos personagens, bem representada por Sky, Bill (seu pai), Gully (o irmão), Nancy e também Luke, o forasteiro, cujos dias são também de poucos atos e sobrevida, nesta velha cidade de Saint Kilda, num pequeno litoral australiano, onde o reconhecimento da multidão se dá apenas nos meses de verão, com a chegada dos turistas, ou quando algum dos personagens diz adeus e segue em uma odisseia de cartões postais e novas-vidas.

Garota Imperfeita é também uma aventura de Simmone Howell, autora dos arredores de Melbourne, que como Sky trabalhou em uma loja de discos, em meio ao tédio e às canções de sua vida. E quando a escrita é assim passado e agridoce, é provável que o leitor a entenda enquanto confidência, ou como a melhor versão do que gostaríamos de ter vivido.

Biográfica ou não, esta é uma das obras young adult mais interessantes do gênero música e vida comum como protagonistas. E porque a vida é assim habitual e indistinta, é preciso encontrar aquela Nancy-Sky-menina, de sentimentos miúdos porém profundos, que transborda das páginas e de nós mesmos, e transforma-se em canção dissonante ou favorita, no coração da cidade ou em qualquer monotonia. E Garota Imperfeita é um bonito exemplo literário de tudo isso.



Sinopse: "Nós, a família Martin, éramos como super-heróis ao contrário: nossos defeitos nos definiam. Meu pai era viciado em cerveja e gravações raras. Gully tinha 'dificuldades sociais', que ficavam evidentes pelo fato de ele usar uma máscara de focinho de porco vinte e quatro horas por dia. Por fora, eu parecia estar bem, mas por dentro havia um bizarro caldo hormonal cozinhando em fogo brando. Meus defeitos não eram do tipo que se podia perceber só de olhar."


Simmone Howell, Garota Imperfeita. SP: V&R Editoras, 2015
terça-feira, 19 de janeiro de 2016

Poemas de Chuva e Dias Frios


Em 1986 foi lançado pela Columbia Records o álbum Raised on Radio, da banda Journey, que integra o top 5 de bandas favoritas da minha vida, e que você provavelmente até conhece pois não há filme,  seriado (lembra do tema de Glee?) ou The Voice onde a música Don't stop believin' não apareça. Pois bem, como nasci em uma época marcada pelo Rádio e pelos programas de calouros, minha relação com a música sempre foi bem 'associativa', de modo que se me perguntarem alguma música que tenha por exemplo a palavra everyday ou lembrança, é capaz de eu conseguir citar algumas referências.

Nerdices à parte, o Rio amanheceu com chuva e dia cinza, e apesar de hoje não ser segunda, pensei em compartilhar com vocês alguns links de textos aquáticos, nesta associação de palavras de chuva e poesia, de autores também favoritos, mas não em letras de músicas, que já estão em número suficiente nos links aqui do texto.

Se você lembrar de mais algum livro ou autor que também admire os dias sem sol, compartilhe com a gente nos comentários :)


Vista do litoral de minha cidade, Niterói, para a capital do Rio de Janeiro. 
Era dezembro, a câmera analógica, e os pés nas poças de chuva e neblina.






A voz da chuva

E quem és tu? Disse eu para a chuva que caía suavemente,
E ela, é estranho narrar, deu-me uma resposta, esta que aqui traduzo:
Sou o Poema da Terra, disse a voz da chuva,
Eterna, ergo-me imponderável para além da terra e do mar sem fundo,
Subo ao céu, de onde, vagamente formada, sou transformada inteiramente e, contudo, permaneço igual,
Desço para lavar as secas, os átomos, as camadas de poeira do globo,
E tudo aquilo nesses elementos sem mim seria apenas sementes, potenciais, não nascidas;
E para sempre, dia e noite, devolvo a vida à minha própria origem, e a faço pura e a embelezo;
(Pois a canção, emitida de seu lugar de nascimento, depois de realizada, divaga,
E, importando-se ou não, regressa oportunamente com amor.)


(in Folhas de Relva - Martin Claret





I. O Enterro dos Mortos

Abril é o mais cruel dos meses, germina
Lilases da terra morta, mistura
Memória e desejo, aviva
Agônicas raízes com a chuva da primavera.
O inverno nos agasalhava, envolvendo
A terra em neve deslembrada, nutrindo
Com secos tubérculos o que ainda restava de vida.
O verão nos surpreendeu, caindo do Starnbergersee
Com um aguaceiro. Paramos junto aos pórticos
E ao sol caminhamos pelas aléias do Hofgarten,
Tomamos café, e por uma hora conversamos.
Bin gar keine Russin, stamm' aus Litauen, echt deutsch.
Quando éramos crianças, na casa do arquiduque,
Meu primo, ele convidou-me a passear de trenó.
E eu tive medo. Disse-me ele, Maria,
Maria, agarra-te firme. E encosta abaixo deslizamos.
Nas montanhas, lá, onde livre te sentes.
Leio muito à noite, e viajo para o sul durante o inverno.


(Trecho de A Terra Desolada, 1922)






“Aquários recortados na uniforme escuridão encerram regiões de imortalidade, mundos de luz solar constante onde não há chuva nem nuvens. Seus habitantes fazem, sem parar, evoluções cuja complexidade, por não ter nenhuma razão, parece ainda mais sublime. Exércitos azuis e prateados, mantendo uma distância perfeita apesar de serem rápidos como flecha, disparam primeiro para um lado, depois para o outro. A disciplina é perfeita, o controle, absoluto; a razão, nenhuma. A mais majestosa das evoluções humanas parece fraca e incerta comparada com a dos peixes.”

O Sol e o Peixe - Prosas Poéticas (Ed. Autêntica)






Ode descontínua e remota para flauta e oboé. De Ariana para Dionísio

IV

Porque te amo
Deverias ao menos te deter
Um instante

Como as pessoas fazem
Quando vêem a petúnia
Ou a chuva de granizo.

Porque te amo
Deveria a teus olhos parecer
Uma outra Ariana

Não essa que te louva

A cada verso
Mas outra

Reverso de sua própria placidez
Escudo e crueldade a cada gesto.

Porque te amo, Dionísio,
é que me faço assim tão simultânea
Madura, adolescente

E por isso talvez
Te aborreças de mim.

(...)


(trecho de Júbilo memória noviciado da paixão, 1974)





José Ernesto, entrou no quarto, foi pôr devagar o castiçal sobre a mesa: – e ficou, encostado à beira da cama, perdido em pensamentos vagos, com os olhos na luz. A solidão da sua existência voltava de novo a aparecer-lhe, muito nítida, com uma forma quase material, dum grande descampado, onde era sempre crepúsculo. E ao mesmo tempo sentia um desejo vago de ficar ali, muito tempo, naquela aldeia, onde todavia a solidão lhe seria mais profunda e real. Quando se deitou, suspirava, sem razão com um vago enternecimento. E antes de adormecer, na escuridão do quarto, via passar, fugir, o brilho duns cabelos de ouro que corriam num jardim.
Às sete horas, o caseiro bateu à porta do quarto.
Ele, gritou de dentro, estremunhado:
– Então?
– Sabia Vossa Excelência que está chovendo, e a valer...


in Um dia de chuva (Cosac Naify)






Lua Depois da Chuva

Olha a chuva:
molha a luva.

Cada gota de água
como um bago de uva.

A chuva lava a rua.
A viúva leva
o guarda-chuva
e a luva.

Olha a chuva:
molha a luva
e o guarda-chuva
da viúva.

Vai a chuva
e chega a lua:
lua de chuva.


in Ou isto ou aquilo (Global Editora)



sábado, 16 de janeiro de 2016

[Resenha] Dias melhores pra sempre, de Maurício Gomyde


I will be watching over you (Eu cuidarei de você)
I am gonna help you see it through (Eu o ajudarei até o fim)
I will protect you in the night (Eu o protegerei na escuridão)
I am smiling next to you (Eu estarei ao seu lado, sorrindo)

(Queensryche, Silent Lucidity, 1991)



No calendário, a página virada nem sempre corresponde aos nossos próprios capítulos. Enquanto histórias desaparecem no trinta e um de dezembro, outras permanecem em aberto, em um prolongamento de parágrafos, parênteses e linhas. Às margens de um novo ano, um brinde ao hiato ou soluço de nossas vidas.

Havendo páginas, desenhamos planos, contornamos esboços, cultivamos perspectivas. E o traçado por vezes prolonga-se. Em Dias melhores pra sempre, a história de Bruno, Micaela, Dante e Karina é contada em curvas e derivas, e por vezes naufrágios, como se no intervalo entre o mar e a cidade encontrássemos nossa melhor vida - e também seu desvio.

Neste horizonte, os dias transbordam e por vezes se esgotam no próprio amor. Para Bruno, futuro médico e surfista, sobreviver às águas seria o menor de seus desafios: nas primeiras horas de um Reveillon, Bruno se afoga em um parágrafo chamado Ana, restando-lhe um pouco fôlego e um mar de incertezas.

Após a tempestade, foi preciso acreditar que uma nova vida preencheria suas irreversíveis lacunas. Por vezes, Bruno, é preciso perder parte de nosso mundo para encontrar nossa famiglia, e com ela encontrar um novo percurso de vida.

Dias melhores pra sempre é uma história de muitas cicatrizes, e possivelmente um dos enredos mais complexos de Maurício Gomyde. Ainda assim, em meio a tantas adversidades, seus personagens renovam-se em episódios de amizade e esperança, encontrando o amor justamente quando a vida torna-se irreconhecível.

Em dias assim, muito do que foi vivido transforma-se em uma imagem turva, à espera de uma tradução, uma reconquista. Porque a vida, assim como a memória, é uma tecnologia sujeita às mágoas e ao tempo - como uma história gravada em película ou em um caderno empoeirado, onde a densidade de suas cores e ritmo desbotam com o passar dos anos ou com a ruptura de suas superfícies.

Em Dias melhores pra sempre, Gomyde convida-nos então a compreender que a vida que é também feita de sons, vozes, toques e impressões; desta forma, quando o mundo ferir-nos a pele do corpo, encontraremos cura em tudo o que preenche os nossos sentidos. E este otimismo é uma das qualidades da obra de Maurício Gomyde, onde há esperança não só no olhar de seus personagens, mas na intensidade do amor em cada lição de suas vidas.
 


Maurício Gomyde, Dias melhores pra sempre. Porto 71, 2013.


Outras resenhas:
A Máquina de contar histórias
Ainda não te disse nada e Surpreendente

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

[Parceria] Chiado Editora e a Literatura dos países de Língua Portuguesa

Você conhece a Literatura Lusófona? Nos últimos anos, a literatura dos países de Língua Portuguesa (a saber: Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor-Leste) tem sido cada vez mais difundida aqui no Brasil, especialmente através das obras do escritor moçambicano Mia Couto e do angolano radicado em Portugal Valter Hugo Mãe. Certamente esta literatura estrangeira em português é também produzida por centenas de outros autores que nem sempre encontraremos em nossas livrarias. Então, curiosidade em mãos, saí a pesquisar Editoras que representassem autores de outras nacionalidades, e fiquei muito feliz de ter encontrado o site da  Chiado Editora, especialista na publicação de autores lusófonos e também brasileiros, e gostaria de compartilhar este achado com vocês :)




Sobre a Chiado Editora

"Editar livros não é o nosso trabalho, é a nossa paixão! Na Chiado Editora adoramos livros, os editados por nós e muitos editados por outros. E trabalhamos todos os dias para oferecer a cada Leitor o livro perfeito!

A Chiado Editora é especializada na publicação de autores portugueses e brasileiros contemporâneos, sendo neste momento a maior editora em Portugal neste segmento, e uma das editoras em maior crescimento no Brasil. Em pouco mais de sete anos de existência, a Chiado Editora revolucionou o mercado do livro em língua portuguesa, editando mais de 1000 novos títulos por ano! Em virtude dos métodos inovadores de produção e distribuição que desenvolvemos, todos os livros publicados pela Chiado Editora estão, a todo o momento, disponíveis para todos os Leitores, nas maiores redes livreiras de Portugal e do Brasil.

A política editorial seguida pela Chiado Editora visa democratizar o mundo editorial, gerando as melhores oportunidades para os Autores, e oferecendo aos Leitores excelentes obras, de variadíssimos géneros, a um preço justo e sem preconceitos.

Dado o sucesso conquistado em Portugal e no Brasil, a Chiado Editora expandiu o seu trabalho para vários países, em várias línguas diferentes. Poderá descobrir as obras publicadas pelas nossas divisões internacionais através dos seus websites. A Chiado Editora publica igualmente na Alemanha, Bélgica, Espanha e América Latina, Estados Unidos da América, França, Luxemburgo, Irlanda e Reino Unido.

Convidamo-lo a descobrir os nossos livros. Temos sempre um livro que será um desafio para si. O nosso desafio é merecer que os nossos livros façam parte da sua vida."


Chiado Editora - Site


Pelo que pude consultar do catálogo, a Chiado trabalha tanto com títulos mais históricos, que tratam do passado, língua e tradições dos países lusófonos, como também publicações de poetas e cronistas contemporâneos, assim como autores das áreas de educação e cultura, marketing, administração, sociologia, psicologia e muitos outros temas! Há inclusive alguns títulos interessantíssimos a respeito da cultura musical portuguesa, como Banda Sonora - 100 retratos na Música Portuguesa, Festivais de Música em Portugal e também um curiosíssimo título do segmento chick-lit chamado A Condessa sem Cheta, que tem tudo pra ser uma história meio Meg Cabot lusitana! Confesso que to doida pra conhecer esse livro :D (aliás, cheta, segundo um dicionário-tradutor, significa dinheiro, posses. Ou seja, o livro conta a história de uma princesa de poucas finanças, bem gente como a gente rs).


A Condessa sem Cheta



Enfim, estou muito feliz por esta parceria com a Chiado Editora em 2016! E espero em breve compartilhar aqui no Blog um pouco mais dessas luso-lits com vocês! <3

domingo, 10 de janeiro de 2016

Novidades das Editoras - Lançamentos e Parcerias

E janeiro já começou em ritmo de convocatórias e parcerias! A Editora Record comunicou em seu Instagram que na próxima semana anunciará o período de inscrições para parcerias; já a Editora Fundamento permanece com inscrições até o dia 14 de janeiro,  enquanto o deadline para a Novo Conceito é hoje, domingo dia 10. Fiquem ligados :)

Neste meio tempo, fomos selecionados para integrar o time de parceiros da Global Editora, que tem em seu catálogo grande autores da literatura brasileira, como Cecília Meireles, Cora Coralina, Manuel Bandeira e muitos outros! Se você também quiser ser parceiro da Global, conheça a política de parceria da editora no site.


Global Editora

Sobre a Global

Ao longo de seus 41 anos de existência, a Global Editora, com muito orgulho, reúne em seu catálogo nomes como os de Cecília Meireles, Manuel Bandeira, Orígenes Lessa, Cora Coralina, Marina Colasanti, Ana Maria Machado, Bartolomeu Campos Queirós, Câmara Cascudo, Darcy Ribeiro, Gilberto Freyre, Ignácio de Loyola Brandão, Marcos Rey, Mario Quintana, João Carlos Marinho, Mary e Eliardo França, Sérgio Vaz, entre outros, contemplando o público adulto, juvenil e infantil.

Selos:
- Global Editora: Literatura brasileira, com obras dos mais renomados autores nacionais.
- Gaudí Editorial, voltada às crianças em seus primeiros anos de vida.
- Editora Gaia, que alimenta o leitor no sentido de viver em perfeita harmonia com ele mesmo e com o universo.
- Nova Aguilar, que conta com um forte catálogo de obras completas dos mais célebres autores nacionais e internacionais.
A Global é também a segunda maior exportadora de autores brasileiros publicados em língua espanhola, atendendo a toda a América Latina, ao Caribe e aos Estados Unidos.





No final do ano passado, o Blog Papel Papel também conheceu o trabalho da 11 Editora, uma jovem casa editorial paulista que tem em seu catálogo autores independentes e publicações dedicadas ao conto, ensaio e poesia. Vale conhecer o Blog da Editora e acompanhar as diversas postagens de textos autorais e também dicas de Redação e Estilo. Como já comentei em algum lugar aqui do Blog, é importante para o nosso crescimento como leitor este algum tempo junto a novos autores, editoras e produções literárias cujos temas ainda sejam uma novidade em nossa rotina de leitura. Neste ano, quero muito dividir com vocês este aprendizado, e espero que vocês possam também conhecer e divulgar muitas indicações de leituras! Que 2016 seja um grande ano para as Editoras que apostam em nossa Literatura Nacional! 


11 Editora


Sobre a 11 Editora


Olá! Somos a 11 Editora, uma jovem e pequena casa editorial. Pequena, mas destemida. Nascemos com o objetivo de apresentar a boa literatura contemporânea, com a publicação de novos escritores, estreantes ou não, e os clássicos. Nossa proposta é publicar autores que, por um motivo ou outro, ainda não encontraram espaço nas grandes editoras, mas que também não queiram pagar pela edição da própria obra. Como editora independente, após a seleção da obra, realizamos toda a produção do livro: preparo de texto, revisão, registro, layout de miolo e da capa, paginação, impressão e venda. O projeto editorial é focado na produção e divulgação de textos relevantes para a formação intelectual dos leitores. A valorização do livro e da leitura é nosso compromisso. Temos como meta levar ao público obras nos segmentos da ficção e não ficção, com destaque para tendências e estilos evidenciados pela diversidade e arrojo.




Crie sua Redação

 

Uma  última dica é o trabalho da Editora Contíguo e seu já conhecido livro interativo Crie sua Redação. Taí um dos lançamentos de parceiros que mais curti em 2015 e que certamente me acompanhará neste ano também! :) Pra quem ainda não conhece o livro, é só visitar a loja da Editora.

Por enquanto é só, amigos <3 Nesta semana iremos  anunciar uma segunda novidade aqui no Blog, também relacionada a esse universo da educação e da escrita. E quem souber de mais algum link com inscrições abertas para Parceria, só compartilhar nos comentários <3

quinta-feira, 7 de janeiro de 2016

Os livros favoritos dos meus autores favoritos

Qual o seu livro favorito? Esta deve ter sido uma das perguntas que mais respondemos no mês de dezembro, não acham? E em meio a tantas retrospectivas nos blogs e Instagrams literários, bateu a curiosidade: quais lançamentos ou clássicos fizeram parte das listas de nossos autores favoritos?

Uma das retrospectivas que mais gostei foi a do Maurício Gomyde, compartilhada no site da Intrínseca também em dezembro:

Best of 2015

Quem em 2015 não se emocionou com Toda luz que não podemos ver, Jojo Moyes e Surpreendente!, não é mesmo? :)


Importante 1: Apesar de quase todos os próximos links desta postagem serem redirecionados para sites em inglês, creio que a falta de tradução não nos impedirá de apreciar as escolhas de nossos autores, afinal, nosso foco hoje é criar uma lista com listas de favoritos, e não especificamente compartilhar sinopses, certo? <3

Importante 2:  Como toda pesquisa made in Google rs, nem sempre as melhores fontes apresentarão o formato que gostaríamos. Então, além de destacar as listas de favoritos, achei interessante também manter o link para o site de origem. Afinal, faz parte da "profissão Leitor" o aprendizado constante, mesmo que este envolva um certo trabalho junto a dicionários, aplicativos e o nosso não muito querido Google Tradutor rs. Enfim, agradeço a compreensão de todos nessa hora <3 E caso você encontre estas informações em blogs já traduzidos para o português, melhor ainda!, compartilha os links com a gente também! <3

Vamos começar então? :)



O primeiro site que encontrei foi justamente um de Favoritos Literários! <3 Muito amor por este site onde não apenas os autores mas diversos famosos e personalidades compartilham suas leituras! Só pra ter uma ideia, é possível encontrar sugestões de leituras de Rick Riordan, Stephanie Perkins, Veronica Roth, Anne Rice, Markus Zusak, e claro, John Green, que foi praticamente o primeiro autor que li em 2015, por isso o destaque aqui no post :)


Favoritos John Green

E como Eleanor & Park foi uma de minhas melhores leituras de 2015, quis saber também quais os favoritos de Rainbow Rowell! E adivinhem só: Anna e o beijo francês, livro queridinho de muitos de nós, é um dos preferidos da autora!


Top 10 Rainbow Rowell
Aliás, encontrei no site Universo Fnac uma entrevista (em português!) com a Kiera Cass onde, curiosamente, Anna e o Beijo Francês é também citado como um young adult de referência! <3

No site da Isabela Freitas há também uma listinha com uma boa listas de favoritos, porém, não há links para os sites de origem. Com todo respeito, acho bem complicado isso de "o autor disse em entrevista". Qual entrevista, gente? Créditos são necessários, não importa se a referência veio de um site carioca, mexicano ou polonês, não acham? :)

Pra não ficarmos só no universo dos Romances, que tal conhecer os favoritos de George R.R. Martin?


George Martin

Se bem que até um autor de Romance como Nicholas Sparks pode ter uma bela coleção de livros fantásticos! No site Wral, Nicholas revelou que Stephen King é um de seus autores favoritos! Quem diria :)

Um post bem interessante também é o do Blog No meu mundo, que traz uma lista com todos os livros que o protagonista Pat Peoples, de O lado bom da vida, resolve ler para se aproximar do universo de Nikki, sua eterna paixão. E como Matthew Quick é um de meus autores favoritos da vida, não poderia deixar de citar os livros escolhidos neste enredo:


Adeus às armas, de Ernest Hemingway
A letra escarlate, de Nathaniel Hawthorne
A redoma de vidro, de Sylvia Plath
O apanhador no campo de centeio, de J.D. Salinger
As Aventuras de Huckleberry Finn, de Mark Twain

Conhece algumas das obras? :)


Pra terminar, uma curiosidade: Você sabia que até o Bill Gates tem um Blog Literário? Com direito a resenhas? E que ele também adorou Jogos Vorazes e The Rosie Project / O Projeto Rosie? rs

Gates Notes

Então é isso, pessoal! Quem encontrar links de favoritos e retrospectivas por aí, só colocar tag na gente ou compartilhar a referência lá nos comentários :)

sexta-feira, 1 de janeiro de 2016

Vida Organizada IV - Blogs de organização e papelaria




Olá, 2016!! Saudações, amigos!! Muitas resoluções (e aquela preguiça rs) por aí? :) Bom, como o ano já começa em uma feliz sexta-feira, pensei em aproveitar o tempo livre para revisar os últimos posts de organização e papelaria e compartilhar mais algumas dicas aqui no Blog. Pra quem ainda não conferiu os posts anteriores, segue nossa pequena coleção: 

Vida Organizada I - Free Printables
Vida Organizada II - Cadernos e Agendas 2016
Vida Organizada III - Calendários 2016

E como todos os links anteriores foram tirados de blogs estrangeiros, pensei em compartilhar hoje algumas referências de blogs em português dedicados a este universo de agendas e papelaria que tanto adoramos!






Meu Reino de Papel
Guarde este endereço para sempre! O blog da Fernanda é certamente o mais organizado e completo pra quem busca informações sobre organização pessoal utilizando agendas, listas e planners. No blog você também encontra reviews de diversas marcas de produtos de papelaria, tutoriais, além de dicas de como fazer comprinhas em lojas internacionais. Recomendadíssimo :)





Um Blog repleto de planners e ilustrações para imprimir merece também o nosso destaque <3





Apenas: que Blog lindo! <3 E com direito a um planner 2016 ainda mais lindo para imprimir!




Blog com muitas postagens sobre planners e agendas <3 




E a pesquisa continua! :) Novo post em breve <3

Custom Post Signature