quarta-feira, 27 de janeiro de 2016

[Novos Autores] Jonatas T.B. e uma resenha sobre Mark Twain


E com este post iniciamos uma nova seção aqui no Blog, onde apresentaremos o trabalho de novos autores nacionais em um formato bem especial: cada escritor convidado compartilhará uma reflexão-resenha literária com a gente, e quem sabe com alguma periodicidade.

O autor carioca Jonatas T.B., graduando em Letras na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, é o nosso primeiro convidado, e sua participação aqui no Blog começa com uma resenha sobre Mark Twain, autor de conhecidas obras literárias, em especial, As aventuras de Tom Sawyer e As Aventuras de Huckleberry Finn. Espero que curtam o trabalho do Jonatas!



O mundo que nos cerca é a extensão de nossos sonhos, ou, para um pequeno Tom Sawyer, ele é um parque de diversões.


"Ele seria um pirata! Isso! E só agora descobria sua vocação! Seu nome conquistaria fama mundial e faria todos os povos estremecerem! Que glória singrar os mares no veleiro negro, o Espírito dos Mares, com sua bandeira tremulando ao vento! E, no ápice da fama, ele reapareceria no velho povoado, irromperia na igreja com a pele curtida pelo sol e pelas intempéries, trajando sua roupa de veludo preto, botas compridas, faixa vermelha, cinto munido de pistolas, faca enferrujada de crimes, chapéu de plumas e a bandeira negra com caveira e tíbias cruzadas. Daí, escutaria o murmúrio de êxtase da criançada sussurrando: 'É Tom Sawyer, o pirata! O vingador do mar das Antilhas!'."

As crianças nascem sem nada saber a respeito do mundo, mas creio não estar errado em afirmar que também são as criaturas mais íntimas da imaginação, como se ainda carregassem consigo um pedacinho das infinitas possibilidades do misterioso lugar que estavam antes de nascer. Foi depois de mais ou menos quatro parágrafos que Tom me segurou pelo braço e me levou para lá. Quando percebi, já estava embarcado com Joe Harper e Hunckleberry Finn, seus amigos piratas, retornando àquela ilha que achava ter desaparecido no horizonte da memória.

Durante a travessia do Mississipi, eu não recordei se brincava de pirata quando criança, mas, assim como Tom, sabia que as brincadeiras nunca chegavam ao fim, porque, ainda que as coisas se tornassem sérias como um tesouro enterrado de verdade ou o testemunho da morte de uma pessoa real, as nossas mentes infantis coloriam tais eventos com tonalidades de uma tarde brincando de piratas. Foi aí que chegamos, eu junto a Tom boiando numa jangada, às fronteiras invisíveis entre a imaginação e a sensibilidade.

Mas se fosse para dizer algo com os pés mais no chão a respeito, creio que 'em “As aventuras de Tom Sawyer”, o cruel e controlador universo adulto é constantemente ludibriado pelas invenções imaginativas das crianças, onde até mesmo uma tarefa enfadonha, como pintar cercas, pode se tornar a atividade mais nobre (se você souber enganar os outros garotos, é claro). E não se surpreenda se escapar uma risada no meio das tolas e ciumentas provocações entre Tom e Becky Tatcher, resgatando num passado remoto (pelo menos para mim) as declarações e decepções do amor infantil. Enfim.

Das trapaças na escola dominical a fugas de assassinos sanguinários, durante aquela viagem pela imaginada St. Petersburg, Tom não me deixou esquecer em nenhum instante o que importava. Uma certeza sem responsabilidade, talvez um pouco de responsabilidade em pescar fumando um bom cachimbo, mas uma responsabilidade sem compromisso para chegar antes do jantar de tia Polly, e sem se importar com as palmadas que virão depois. Talvez importar-se um pouco em ser ou parecer, mas principalmente não esquecer de brincar de imitar. Afinal, também aprendi com Tom que brincadeiras sérias como Robin Hood abrem baús com verdadeiros tesouros dentro de nós. Acredite.


Jonatas Tosta 

J. teria nascido num dia frio de inverno em uma biblioteca com a qual sua mãe costumava sonhar quando criança,” se não fosse nada mais que um moço natural do Rio de Janeiro. Daquele tipo de pessoa que adora contar a qualquer ouvido amigo que queira ouvir. Atualmente é integrante do grupo estudantil de Produção e Crítica Literária da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, os mesmos integrantes do grupo Poligrafia, além de escrever para o blog Nerd Geek Feelings e em seu próprio blog. Foi selecionado para publicar seu conto na antologia Espada e Feitiçaria II, pela editora Buriti.

Outrora blogueiro, hoje resgatado por Rebeca ao velho ofício. Dizem por aí que também é professor, mas prefere dizer que de profissão só tem as palavras. E deseja aqui compartilhar com o(a) amado(a) leitor(a) cada nova história.

Clique para conhecer uma de suas histórias ainda não publicadas


8 comentários on "[Novos Autores] Jonatas T.B. e uma resenha sobre Mark Twain"
  1. Essa incrível capacidade de alguns autores, de nos transportar para dentro do texto e mais ainda, para dentro de nós mesmos, é algo tão sublime, que deveria servir como recurso de tratamento nas nossas ansiedades diárias. Belo texto, eu não brincava de pirata quando criança, mas isso não me impediu de reviver esse tempo mágico e repleto de aventuras que nascem da nossa intimidade com a imaginação <3
    Bjo, bjo.
    https://ameninaquenaoparadeler.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É muito bom saber que há pessoas ressoando com a gente!
      Boas leituras!
      bj!

      J.

      http://jonatastbblog.blogspot.com.br/

      Excluir
  2. Rebeca, que bacana essa sua ideia de chamar pessoas do universo literário para participarem do seu blog. Acho isso muito rico. É um processo de construção. Você aprende, os seus leitores apreendem e o "curador" compartilha boas ideias e tem bons feeedback. Amei as dicas :)

    www.blogdahida.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa ideia da Rebeca tem sido grande estímulo para novos textos e mantém os novos escritores com a chama acesa. Sou muito grato a ela e a você também pelo reconhecimento.

      um bj!

      J.

      http://jonatastbblog.blogspot.com.br/

      Excluir
  3. Muito bom, você fez uma pequena obra de arte graças a obra de arte que te tocou, eu agora me sinto indiretamente inclinado a ler, sim, um pecado, nunca li nada do Twain.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. De coração, leia sim. Eu li num momento bem agitado e tenho certeza que Tom Sawyer tenha participado da consequente tranquilidade que senti durante esse tempo, apesar de tudo.

      um abraço!

      J.

      http://jonatastbblog.blogspot.com.br/

      Excluir
  4. Twain <3
    Tanto ouvi falar, mas nada li :(
    Tenho que ler algo dele, já li tanto sobre, ouvi falar muito também. Sempre fala que vou ler algo, mas acabo não achando e nem vou muito em busca disso, mas tenho meta de lê-lo e vou.
    Amei o post, beijos e sucesso <3 <3

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Well, esse autor é fora de série. Eu praticamente li por acidente (creio que a maioria dos livros a gente leia assim rs), quando dei por mim já estava no sexto capítulo e rindo sem parar. Leia sim =D E ao encontrar Tom pelas suas leituras, dê nele um abraço por mim!
      bjs!!!!!!!!!!!!!!!

      J.

      http://jonatastbblog.blogspot.com.br/

      Excluir

Custom Post Signature