Uma semana e(m) um dia #13

domingo, 15 de janeiro de 2017
Uma semana e(m) um dia, episódio 13. No post de hoje, Jonatas, Rebeca e Regiane compartilham sugestões de filmes e livros. 


Jonatas


Esta semana assisti a uma animação bastante citada em diversas listas de melhores animes recentemente. É a ficção científica romântica Kimi no na wa (Your name), dirigido por Makoto Shikai, que já conhecia pelo premiado 5 centímetros por segundo. 

Kimi no na wa conta a história de Mitsuha, uma colegial que vive na provinciana Itomori, e Taki, um rapaz do ensino médio que vive em Tóquio. Por um motivo misterioso, quando um dos adolescentes dorme, é transferido par ao corpo do outro. A princípio, ambos se comunicam apenas por mensagem, mas conforme ficam íntimos, o que era apenas um estranho acidente, torna-se o início de um romance impossível. 

A história também remente à lenda chinesa chamada “Akai Ito”, uma versão oriental para o conhecido mito das almas gêmeas, mas que, no caso, são ligadas por fios vermelhos invisíveis.

A causa do estranho fenômeno parece ter ligação com a passagem de um meteoro milenar, que também é prenúncio de uma grande tragédia para a cidade de Itomori. Então, já adianto a você: apesar de romântico, Kimi no na wa consegue ser bastante intenso. 

Eu ia cometer a tolice de comparar com Donnie Darko, devido ao clima de paradoxo temporal, mas não, não chega a tanto. Kimi no na wa tem o enredo bem parecido com o de A Casa do Lago (2006) – baseado em Siworae (2000), por também abordar o tema “amores que são impossíveis pela distância do tempo”. E se você gostou de A Casa do Lago, é bem possível que o anime também agrade

Espero que também se divirta com essa inusitada ficção científica romântica e desejo a você um ótimo filme.


Rebeca


Como domingo é o dia da retrospectiva, um dos recebidos da semana foi o A Passagem Secreta - leitura política e filosófica de Alice no País das Maravilhas e Através do Espelho, do autor Pedro Braga, publicado pela Chiado Editora. Sobre o livro: "Pedro Braga, neste livro, deixa-se contagiar por esse clima lúdico e propõe uma leitura não só política, mas também filosófica. Ou autor propõe também ousadas possibilidades de interpretação, com fundamento na lógica e na matemática. Livro sério sem ser sisudo, escrito em um tom de quem faz o (ou participa do) jogo carrolliniano, e pretende desvendar o que se esconde por trás do espelho do País das Maravilhas". Toda curiosidade, admito! :)

Aproveitando este minuto de flashback, preciso dizer que estou AMANDO este tênis branco da Moleca, que finalmente encontrei numa promoção de fim de ano aqui no Rio <3 É um dos calçados mais confortáveis que já tive, sério.

Coisa curiosa foi ter recebido também nestes dias o 30 e poucos anos e uma máquina do tempo, um lançamento da Rocco que promete ser uma mistura de Alta Fidelidade com De volta pro futuro - e pelo pouco que folheei da história, posso dizer que parece mesmo :) Aliás, esta ideia de voltar ao tempo para realizar um sonho, e não para corrigir uma falha em nossos relacionamentos, é realmente um diferencial para a história, ainda mais se você curte o cenário musical alternativo dos anos 90 pra trás, ou se no peito bate aquela saudade "de tudo aquilo que não viu", como diria Renato Russo na música Índios.




Regiane

"Maribeth Klein estava trabalhando até tarde, à espera da conclusão das provas finais da edição de dezembro, quando infartou.

Aquelas primeiras pontadas no peito, porém, pareceram mais aflição que dor, e ela não pensou imediatamente em coração. Pensou em indigestão, provocada pela comida chinesa gordurosa que devorou, à própria mesa, uma hora antes. Pensou em ansiedade, provocada pelo tamanho da lista de afazeres para o dia seguinte. Pensou em irritação, provocada pela conversa com o marido, Jason, que mais cedo, quando ela telefonou, dava uma festinha com Oscar e Liv, apesar das reclamações do vizinho de baixo, Earl Jablonski, e ainda que manter os gêmeos acordados depois das oito aumentasse a probabilidade de um deles acordar no meio da noite (e de acordar Maribeth também).

Mas não pensou no coração. Maribeth tinha 44 anos. Sobrecarregada e extenuada, mas mostre a ela uma mãe que trabalha fora que não o seja. Além disso, Maribeth Klein era o tipo de mulher que, quando ouvia um estampido, não pensava em tiro. Pensava que alguém havia deixado a TV alta demais." (Trecho de Quando eu parti, de Gayle Forman)

Por aqui, a semana também permanece agitada, com muitos acontecimentos e pouco tempo pra colocar as coisas em dia. Então, também quero mostrar pra vocês alguns dos livros que recebi, e que espero fazer uma resenha muito em breve:

Quando eu parti, de Gayle Forman, lançado pela Record

Sinopse:  Primeiro romance adulto da consagrada autora de Se eu ficar, que ganhou as telas de cinema.

Quando um coração falha, não é apenas o corpo que trai. Mas sonhos desfeitos, amores não vividos, destinos cruzados. Maribeth Klein tem a própria cota de problemas: do marido omisso até a chefe e ”ex-amiga” Elizabeth, passando pelos gêmeos superativos. Ela está sempre tão ocupada que mal percebe um ataque cardíaco. Depois de uma complicação inesperada no procedimento cirúrgico, Maribeth começa a questionar os rumos que sua vida tomou e faz o impensável: vai embora de casa. Longe das exigências do marido, filhos e carreira, e com a ajuda de novos amigos, ela finalmente é capaz de enfrentar o passado e os segredos que guarda até de si mesma.

A Teoria de Tudo, de Jane Hawking, publicado pela Editora Gente. Sinopse: Quando Jane conhece Stephen, percebe que está entrando para uma família que é pelo menos diferente. Com grande sede de conhecimento, os Hawking possuíam o hábito de levar material de leitura para o jantar, ir a óperas e concertos e estimular o brilhantismo em seus filhos – entre eles aquele que seria conhecido como um dos maiores gênios da humanidade, Stephen.

Descubra a história por trás de Stephen Hawking, cientista e autor de sucessos como Uma breve história do tempo, que já vendeu mais de 25 milhões de exemplares. Diagnosticado com esclerose lateral amiotrófica aos 21 anos, enquanto conhecia a jovem tímida Jane, Hawking superou todas as expectativas dos médicos sobre suas chances de sobrevivência a partir da perseverança de sua mulher. Mesmo ao descobrir que a condição de Stephen apenas pioraria, Jane seguiu firme na decisão de compartilhar a vida com aquele que havia lhe encantado. Ao contar uma trajetória de 25 anos de casamento e três filhos, ela mostra uma história universal e tocante, narrada sob um ponto de vista único.

Boa semana pra vocês, amigos! Até breve!!!

Post Comment
Postar um comentário

Auto Post Signature