terça-feira, 18 de julho de 2017

A busca sofrida de Martha Perdida - Caroline Wallace | Editora Rocco - Fábrica 231 | Texto de Regiane Medeiros



“Numa era utilitária, acima de tudo, é uma questão de grande importância que os contos de fada sejam respeitados” (Charles Dickens)

Contos de fadas permeiam a imaginação humana, desde o início dos tempos, antes mesmo que a palavra escrita surgisse, sendo transmitidos oralmente de geração em geração. Cada cultura tem suas próprias histórias e lendas, assim como cada um de nós tem também o próprio conto pessoal, que flutua entre momentos de alegria e de tristeza.

Ter consciência da própria história, faz com que tenhamos um domínio maior sobre nós mesmos e nossas capacidades. A sensação de não saber quem somos ou de onde viemos, é aterradora e nos faz cair em um redemoinho difícil de sair sem se machucar no processo.

A busca pela própria identidade, é uma constante na nossa formação como indivíduos e é também o tema central desse romance young adult, brilhantemente escrito por Caroline Wallace e distribuído no Brasil pela Editora Rocco através do selo Fábrica 231. A Busca Sofrida de Martha Perdida fala muito sobre isso, sobre a procura de quem somos e de onde viemos, para então seguir em frente.


Martha Perdida trabalha no Achados e Perdidos da estação Lime Street em Liverpool, Inglaterra. Foi “esquecida” ali quando tinha três meses de vida e a Mãe, responsável pelo setor na época, acabou ficando com ela e a criando. Quer dizer, explorando, já que Martha desde cedo teve que lutar muito para fazer valer o pão que comia. Criada em um ambiente hostil por uma fanática religiosa, Martha chega aos dezesseis anos, sem saber muito sobre si, apenas que não pode deixar a Estação Lime Street ou a mesma vai desmoronar. É isso mesmo, Martha nunca pôs os pés fora da estação. Mas ela está feliz com isso, lá ela tem tudo de que precisa e pode girar à vontade entre os transeuntes da estação, algo que ela adora:

“Adoro girar. Não é a maneira mais eficiente de circular, mas, após meses e meses de prática, acho que aperfeiçoei a forma mais brilhante de giro” – pág. 10

A vida de Martha começa a mudar, quando recebe um livro de alguém que parece conhecer muito bem sua história ou a parte do seu conto de fadas que ela não conhece. A partir de uma troca de correspondências bem peculiar, Martha vai embarcar em uma aventura pela busca da própria identidade, acompanhada de um grupo de amigos bem singulares: Elisabeth, a dona do Café ao lado do Achados e Perdidos, que ama Rock’n Roll e distribuir bolo para quem ela acha que precisa se sentir melhor, mas que carrega uma enorme tristeza dentro de si; George Harris, um imenso e jovem soldado romano que não gosta de mudar sua rotina, a não ser para ver Martha sorrir, com um coração tão grande quanto sua estatura; e William, um homem marcado por uma tragédia familiar e que vive nos túneis e canais da estação Lime Street, cuja recuperação social une ainda mais o quarteto.

No meio do caminho, nossa doce Martha se envolve com um mistério que tem a ver com uma mala supostamente repleta de artigos raros e inéditos dos Beatles, além de ter que encontrar a urna com as cinzas do dono da mala.

“Vejo as pessoas correndo por aí e me pergunto se alguma delas poderia ser minha mãe, meu pai, um irmão, um primo. Olho para tornozelos e pulsos. Olho as formas das sobrancelhas e a maneira como as pessoas falam. Tento reconhecer a pessoa que eu perdi” – pág. 60.


Será que Martha vai conseguir deixar a todos felizes, sem ter que abrir mão de si mesma no meio do caminho? Esse é um questionamento que eu me fiz durante toda a leitura junto com ela. Com uma fascinante mistura de Amélie Poulain e Hugo Cabret, somos conduzidos em uma aventura maravilhosa pela mente de uma jovem que carrega dentro de si a sabedoria de alguém que já perdeu muito e por isso se doa tanto em fazer todos a sua volta sorrirem, ao mesmo tempo em que sua imaginação moldada por uma Mãe perversa e doente, a faz ter atitudes infantis e peculiares, deixando as pessoas que a conhecem, atônitas.

“Quando tudo é tirado de você, você tem duas escolhas. Você luta para pegar de volta ou desmorona e morre” – pág. 288

A edição desse livro está bem diferenciada, condizendo com seu conteúdo: não há divisão em capítulos numerados e a história é quase toda narrada por Martha. Nos interlúdios de sua narrativa temos as “cartas” escritas nos livros que chegam à Martha, contando sua história, os cartazes que ela coloca na plataforma 6 em resposta, reportagens do Liverpool Daily Post, cartas a pessoas “importantes” escritas por Martha e também citações de autores e celebridades, com frases que mostram a importância de se acreditar em narrativas e no que podemos aprender com elas.

Em meio a personagens apaixonantes (e alguns detestáveis, porque sempre tem né?), livros, música, bolo, medo do Diabo e seus ratos, somos levados a uma jornada repleta de adrenalina e surrealidade, com um final intenso e catártico que vai deixar a todos com o coração curado, assim como a população de Liverpool com o retorno de um filho amado – só lendo para saber de quem estou falando ;)


Em A busca sofrida de Martha Perdida, Caroline Wallace conta uma história envolvente, que mistura ficção e fatos reais – Mal Evans existiu, era próximo dos Beatles e acabou morto pela polícia nos Estados Unidos, tendo suas cinzas perdidas ao serem enviadas para a Inglaterra. Com uma narrativa deliciosa, a autora convida a acompanhar Martha em uma jornada emocionante e surpreendente, cujas respostas podem estar mais perto do que se imagina, num livro que é a mistura perfeita de A invenção de Hugo Cabret e O fabuloso destino de Amelie Poulain.
31 comentários on "A busca sofrida de Martha Perdida - Caroline Wallace | Editora Rocco - Fábrica 231 | Texto de Regiane Medeiros"
  1. Olá, tudo bem? Não conhecia esse livro, mas gostei da capa e da sua resenha, que me deixou com vontade de lê-lo... Adorei os quotes!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Lari, obrigada pela visita! Se tiver a oportunidade de lê-lo, me conta o que achou! Bjoooo

      Excluir
  2. Gostei muito da sua resenha, não conhecia o livro mas achei a história muito interessante.
    Beijos
    http://novolivronovoamor.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  3. Olá,
    Adorei sua resenha, está de parabens. Não conhecia nem o autor e nem o livro, achei ela interessante e com a ajuda dos quotes deu para nos aproximarmos mais do que o livro se trata, parabens.

    ResponderExcluir
  4. Olá! Amei o livro. A história em si, me parece incrível. Enfim quero ler assim que tive a oportunidade. Valeu demais pela dica.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Depois de ler, conta pra gente o que achou 😉
      Bjoooo

      Excluir
  5. Oii tudo bem?
    Que incrível essa resenha menina, com toda certeza eu adoraria mesmo ler e ainda mais envolvendo Beatles, quero conhecer a história dessa mulher que até de certo fato é baseado em fatos reais, ótima resenha.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oie! Tudo bem e você?
      Realmente tem uma parte, a que se refere aos Beatles, que foi baseada em uma história verdadeira, o que só deu maior credibilidade à essa fábula linda! Quem curte Beatles, vai adorar esse livro ❤
      Bjoooo

      Excluir
  6. Meu deussss, que livro lindo!!! Fiquei com vontade de ler, parece ser incrível.
    Parabéns pela resenha, e amei as fotos <3
    Beijoss!
    Páginas Empoeiradas

    ResponderExcluir
  7. Oi!
    Nossa, gostei muito desse livro e da trama que ele traz. Achei a temática incrível e fiquei encantada pela protagonista, sem falar nessa edição maravilhosa.
    Beijos!

    ResponderExcluir
  8. Oie!
    Parabéns pela resenha, muito bem escrita. Eu sou muito fã de Amelie, e saber que esse livro possui um pouco da magia de Amelie, já me deixou interessa. E também porque a protagonista em em busca de si mesma, e isso sempre mexe com as emoções do leitor! É um livro que gostaria de ter na minha estante :)

    Beijos!
    Eli - Leitura Entre Amigas
    http://www.leituraentreamigas.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá!
      Amélie é muito amor ❤
      Martha se parece com ela em alguns aspectos, são pessoas raras! Bjoooo

      Excluir
  9. OI, tudo bem?
    Não conhecia o livro, e apesar dele ter uma capa super bonita, a premissa não me agradou :/
    BJs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, tudo bem e você?
      Acontece né? Nem sempre somos pegos pelo livro! Boas leituras pra ti!
      Bjoooo

      Excluir
  10. Olá!
    Não conhecia essa obra e amei a capa. Lendo sua resenha fiquei muito animada pra fazer essa leitura que parece ser apaixonante.
    Espero ler em breve!
    Beijos!

    Camila de Moraes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Cah, é um livro amorzinho, vale a pena! Bjoooo

      Excluir
  11. Quando eu comecei a ler a resenha já lembrei logo de A Invenção de Hugo Cabret. Adoro obras assim. E ainda tem essa questão de busca pela identidade que é algo filosófico. Não conhecia a obra e já anotei aqui para uma futura leitura.

    Beijos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Foi impossível não fazer essa associação Nilda! Um livro pra divertir e pensar! Bjoooo

      Excluir
  12. Fiquei com muita vontade de ler esse livro, parece ssr uma história envolvente, dessas que a gente vê a personagem se encontrar na vida.
    Beijos
    Mari
    Pequenos Retalhos

    ResponderExcluir
  13. Olá!
    No começo eu achei apenas interessante a história, mas depois a resenha foi me envolvendo de tal forma que estou louca de vontade de ler esse livro! Parece muito bom e espero não me decepcionar!
    Bjs
    Por essas páginas

    ResponderExcluir
  14. Nossa! Eu ainda não conhecia o livro e só pelo título e pela capa eu já compraria. Adorei a sua resenha e fiquei muito interessada para ler esse livro, parece ser uma leitura excelente e espero poder ter o prazer de ler em breve.

    ResponderExcluir
  15. Olá!

    Gente, preciso desse livro, que lindo! Amo Amelie Poulain, então com certeza vou amar a Martha também. Pena que só fala de Beatles, queria ver outras bandas lá (sim, sei que ela é de Liverpool, mas é que não gosto do quarteto, rs)

    ResponderExcluir
  16. Olá, a narrativa desse livro parece ser bem envolvente. Adorei a edição e o título, além de sua resenha abordar pontos que me chamaram atenção. Dica anotada!

    Beijos!!

    ResponderExcluir
  17. Oie Amore,

    Nossa que livro diferente... já anotei a dica aqui, é sempre bom ler esses livro que nos fazem lembrar de quem somos... virá a calhar a leitura deste.


    Beijokas!

    ResponderExcluir
  18. apesar de não apreciar o gênero, confesso que fiquei intrigada com esse enredo, bem peculiar a meu ver...
    nunca tinha ouvido falar da autora antes... curti a referência aos Beatles hehehehe
    bjs...

    ResponderExcluir
  19. só de ser comparado à Amelie Poulain já me fez ter certeza de que preciso lê-lo! Ameeei sua resenha e sua escrita e amei conhecer um pouquinho mais sobre esse livro de capa bonita e uma menina perdida. :)
    Beijos

    ResponderExcluir
  20. Esse livro está aqui aguardando a vez dele de ser lido, rs, que deve chegar daqui a uns dez dias. Confesso que quis ler por causa da capa, nem sabia nada sobre o enredo, mas adorei saber desse tema da busca da própria identidade. Fiquei feliz e aliviada por saber que você achou a narrativa deliciosa e a jornada da Martha emocionante e surpreendente.

    ResponderExcluir