terça-feira, 21 de março de 2017

21 de Março - Dia da Poesia | Hilda Hilst - Antologia | Companhia das Letras e José Olympio

"As pessoas perguntam sempre por que a gente escreve e eu fico pensando em todos os motivos que levam de repente uma pessoa a escrever e penso que a raiz disso em mim está na vontade de ser amada, numa avidez pela vida. Quem sabe também se não é uma necessidade de viver o transitório com intensidade, uma força oculta que nos impele a descobrir o segredo das coisas. (...) Eu fico impressionada quando ouço pessoas que dizem sentir prazer em escrever. Para mim é sofrimento, um sofrimento de que não posso fugir, mas me amedronta. Penso que escrever serve mais para perdurar, para existir fora de nós mesmos, nos outros. (...) É por isso que penso que o que me leva a escrever é uma vontade de ultrapassar-me, ir além da mesquinha condição de finitude." (Trecho de entrevista de Hilda Hilst para O Estado de São Paulo, 1975)

No Dia da Poesia, uma das notícias que mais me chamou a atenção foi a de um lançamento da Companhia das Letras (já em pré-venda na Amazon e com um grande desconto!) com toda a obra poética de Hilda Hilst. O livro de 616 páginas reúne poemas de seus mais de vinte títulos, além de inéditos, e inclui comentários críticos de Lygia Fagundes Telles, posfácio de Victor Heringer e carta de Caio Fernando Abreu para Hilda. Um dos melhores lançamentos do ano, com toda certeza!


Outro lançamento recente, também relacionado a obra de Hilda, é o livro Numa Hora Assim Escura, publicado pela José Olympio. Resultado de anos de pesquisa, o projeto da autora Paula Dip reúne cartas de Caio Fernando Abreu enviadas a Hilda Hilst entre os anos de 1971 e 1990. O projeto gráfico da obra está lindo, e conta com diversas imagens dos poetas, assim como facsimiles das cartas datilografadas e manuscritas. Aliás, este livro também está em promo na Amazon hoje, aproveitem!

Sobre  obra: "Inéditas, algumas (cartas) ainda em envelopes selados, escritas à mão em papéis amarelados, devorados por cupins, ou datilografadas, elas estavam com o poeta baiano Antonio Nahud Júnior que, assim como Caio, viveu na companhia de Hilda na Casa do Sol, que recebeu de Hilda após uma briga com Caio, quando ela queria queimar tudo para afastá-lo de vez da sua vida. Confessional e íntimo, o conteúdo dessas correspondências revelou a grande amizade e o verdadeiro caso de amor literário entre os dois. Numa hora assim escura é uma reunião de cartas repletas de expressão e a transcrição do laço entre esses dois grandes escritores, que Paula nos apresenta com a sensibilidade de sempre."



Alguns excertos de poemas de Hilda Hilst:



II

Tateio. A fronte. O braço. O ombro.
O fundo sortilégio da omoplata.
Matéria-menina a tua fronte e eu
Madurez, ausência nos teus claros
Guardados.
Ai, ai de mim. Enquanto caminhas
Em lúcida altivez, eu já sou o passado.
Esta fronte que é minha, prodigiosa
De núpcias e caminho
É tão diversa da tua fronte descuidada.
Tateio. E a um só tempo vivo
E vou morrendo. Entre terra e água
Meu existir anfíbio. Passeia
Sobre mim, amor, e colhe o que me resta:
Noturno girassol. Rama secreta.

 (Em: Prelúdios-intensos para os desmemoriados do amor)



XIII

Ávidos de ter, homens e mulheres
Caminham pelas ruas. As amigas sonâmbulas
Invadidas de um novo a mais querer
Se debruçam banais, sobre as vitrines curvas.
Uma pergunta brusca
Enquanto tu caminhas pelas ruas. Te pergunto:
E a entranha?
De ti mesma, de um poder que te foi dado
Alguma coisa mais clara se fez? Ou porque tudo se perdeu
É que procuras nas vitrines curvas, tu mesma,
Possuída de sonho, tu mesma infinita, maga,
Tua aventura de ser, tão esquecida?
Por que não tentas esse poço de dentro
O incomensurável, um passeio veemente pela vida?

Teu outro rosto. Único. Primeiro. E encantada
De ter teu rosto verdadeiro, desejarias nada.


(Em: Poemas aos homens do nosso tempo)



Sobre a autora: "Hilda Hilst (1930-2004) foi uma ficcionista, cronista, dramaturga e poeta brasileira, considerada pela crítica especializada como uma das maiores escritoras em língua portuguesa do século 20.

Hilda iniciou sua produção literária em São Paulo, com o livro de poemas Presságio (1950). Em 1965, ela se muda para Campinas e inicia a construção da Casa do Sol, para ser um porto seguro de sua criação. É na Casa do Sol que Hilda dedica-se exclusivamente ao trabalho literário, realizando ali mais de 80% de sua obra. Em 1967, ela estreia na dramaturgia e em 1970, na ficção, com Fluxo floema.

Dona de uma linguagem inovadora e abrangente, Hilda produziu mais de quarenta títulos, entre poesia, teatro e ficção, e escreveu por quase 50 anos, recebendo importantes prêmios literários do Brasil. Criadora de textos em que Atemporalidade, Real e Imaginário se fundem, e os personagens mergulham no intenso questionamento dos significados, buscando compreensão e encontro do essencial, Hilda retrata sem cessar a frágil e surpreendente condição humana.

Muitos de seus livros tiveram as edições originais esgotadas. A partir dos anos 2000, a Globo Livros reeditou sua obra completa, e em 2016 os direitos de publicação passaram para a Companhia das Letras. Hilda já ganhou traduções em países como Itália, França, Portugal, Alemanha, Estados Unidos, Canadá, Argentina.

O acervo pessoal deixado pela escritora se divide, hoje, entre a Sala de Memória Casa do Sol — onde há, inclusive, produções inéditas — e o Centro de Documentação Cultural Alexandre Eulálio da Universidade Estadual de Campinas (Cedae-Unicamp)." 

(texto retirado do site do Instituto Hilda Hilst)

2 comentários on "21 de Março - Dia da Poesia | Hilda Hilst - Antologia | Companhia das Letras e José Olympio"
  1. Oi, Reb!
    Obrigadíssimo pela dica. Já começo sendo direto porque quando a companhia enviou o catálogo do mês eu não deu importância a esse livro, mas depois que li esse trecho da Hilda falando sobre a sensação da escrita... Me apaixonei! Já quero!

    Bjinhos.
    Diego, Blog Vida & Letras
    www.blogvidaeletras.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Oi Dih! Pelamordosceusliterários, não dispensa esse livro!!! rsrs
    Hilda é uma daquelas autoras que dilaceram a alma do poema, e a nossa, principalmente <3 Pode confiar :))
    Já encomendei os dois livros na Amazon, estou ansiosa!!
    Bjsss

    ResponderExcluir